Quebrando um software monolito: Microsserviços vs. Sistemas Autocontidos

Texto de Olga Annenko, disponível em: http://www.elastic.io/breaking-down-monolith-microservices-and-self-contained-systems/ As publicações e discussões recentes de TI estão cheias de termos como "transformação digital", "TI bimodal", "desenvolvimento contínuo" e "agilidade". Não há necessidade de discutir que arquiteturas monolíticas e aplicações monolíticas devem se tornar coisas do passado, cedo ou tarde - de preferência, cedo, é claro. E de fato os departamentos de TI são encorajadas a se afastar dos monolitos por causa de inúmeras razões perceptíveis e compreensíveis: manutenção complicada, muitas dependências, dificuldades de teste e implantação (o monolito só pode ser implantado como um todo.) Os monolitos são como o Triângulo das Bermudas para qualquer iniciativa ágil de TI.

Anúncios

Esculpindo o monolito JavaEE em microsserviços: prefira verticais, não camadas

O texto original é de Christian Posta, e está disponível em: http://blog.christianposta.com/microservices/carving-the-java-ee-monolith-into-microservices-perfer-verticals-not-layers/ O monolito que explorarei nesses artigos será do tutorial Ticket Monster, que tem sido um exemplo canônico há muito tempo sobre como construir uma aplicação impressionante com JavaEE e as tecnologias RedHat. Usaremos o Ticket Monster porque é uma aplicação bem escrita situada entre o "não-trivial" e o "complexo demais para um exemplo". É perfeito para propósitos ilustrativos e podemos apontar algumas coisas dele concretamente e discutir prós e contras de algumas abordagens com código de verdade.